Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Rapariga na Aldeia

Blog pessoal de uma rapariga que vive na aldeia e às vezes vai à cidade.

A Rapariga na Aldeia

Blog pessoal de uma rapariga que vive na aldeia e às vezes vai à cidade.

Uma Macaca na Cidade (16)

FELIZ DIA DA MULHER 

 

Feminismo. Palavra que parece ter as mais diversas interpretações, ainda que qualquer dicionário lhe conceda simples e direto significado. Eu estou com a Emma Watson: igualdade e liberdade são as palavras que mais rimam com feminismo. 

 

No Dia Internacional da Mulher, que amanhã se assinala, deixo-vos um poema sobre esta “criatura difícil de explicar e difícil de entender”. E desejo-vos a todas um dia (uma vida!) feliz! 

 

Pessoalmente, gosto muito do dia da mulher. Sempre gostei. Porque é o dia em que uma grande mulher faz anos. A minha avó. Este ano são 92. Ainda não sabemos se a festa será em casa (como sempre) ou, este ano, inesperadamente no hospital. Vamos todos torcer pela primeira hipótese. 

 

Menina e Moça 

 

Está naquela idade inquieta e duvidosa,

Que não é dia claro e é já o alvorecer;

Entreaberto botão, entrefechada rosa,

Um pouco de menina e um pouco de mulher.

 

 

Às vezes recatada, outras estouvadinha,

Casa no mesmo gesto a loucura e o pudor;

Tem coisas de criança e modos de mocinha,

Estuda o catecismo e lê versos de amor.

 

Outras vezes valsando, o seio lhe palpita,

De cansaço talvez, talvez de comoção.

Quando a boca vermelha os lábios abre e agita,

Não sei se pede um beijo ou faz uma oração.

 

Outras vezes beijando a boneca enfeitada,

Olha furtivamente o primo que sorri;

E se corre parece, à brisa enamorada,

Abrir asas de um anjo e tranças de uma huri.

 

Quando a sala atravessa, é raro que não lance

Os olhos para o espelho; e raro que ao deitar

Não leia, um quarto de hora, as folhas de um romance

Em que a dama conjugue o eterno verbo amar. 

 

Tem na alcova em que dorme, e descansa de dia,

A cama da boneca ao pé do toucador;

Quando sonha, repete, em santa companhia,

Os livros do colégio e o nome de um doutor.

 

Alegra-se em ouvindo os compassos da orquestra;

E quando entra num baile, é já dama do tom;

Compensa-lhe a modista os enfados da mestra;

Tem respeito a Geslin, mas adora a Dazon.

 

Dos cuidados da vida o mais tristonho e acerbo

Para ela é o estudo, excetuando talvez

A lição de sintaxe em que combina o verbo

To love, mas sorrindo ao professor de inglês.

 

Quantas vezes, porém, fitando o olhar no espaço,

Parece acompanhar uma etérea visão;

Quantas cruzando ao seio o delicado braço

Comprime as pulsações do inquieto coração!

 

Ah! se nesse momento alucinado, fores

Cair-lhes aos pés, confiar-lhe uma esperança vã,

Hás de vê-la zombar dos teus tristes amores,

Rir da tua aventura e contá-la à mamã.

 

É que esta criatura, adorável, divina,

Nem se pode explicar, nem se pode entender:

Procura-se a mulher e encontra-se a menina,

Quer-se ver a menina e encontra-se a mulher!

 

Machado de Assis, in Falenas

 

roupa-para-bebs-na-fantasia-de-macaco-g-18919-MLB2

 

A Blogger

Sigam a Rapariga

Follow my blog with Bloglovin Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D